A LOSS OF PURPOSE-1.jpg
A LOSS OF PURPOSE-2.jpg

A LOSS OF PURPOSE
Exposição Individual | DUPLEX, Maio/Junho 2021

IMG_4380.heic

Love Letters, 2021
Ferro pintado e abraçadeiras de plástico

30x36x7 cm

A LOSS OF PURPOSE-9.jpg

We Used To, 2021
Latão e aço inoxidável
Dimensões variáveis

A LOSS OF PURPOSE-12.jpg

A Lonely View, 2021
Ferro pintado
42x32x42cm

 

IMG_5444 2.heic

Spinal #1 e #2, 2021
Tapete de banho e abraçadeiras de metal
37x11x14 cm (rosa)
30x36x7 cm (branca)

 

A LOSS OF PURPOSE-5.jpg

Oh so pretty, 2021
Conectores eléctricos em plástico e latão
Várias dimensões
 

A LOSS OF PURPOSE-10.jpg

Sometimes I Wish I Could, 2021
Ferro pintado
44x94x32 cm
 

A LOSS OF PURPOSE-6.jpg

Morning Fog, 2021
Madeira, suportes em pinça e lâmpadas 
44x94x32 cm (cada)
 

Sozinha.

Cabelo escuro.

Uma cadeira que acolhe o corpo de uma jovem mulher.

As pernas tocam-se.

Veste uma saia fendida até ao joelho.

As mãos, descansam-lhe no colo.

A pele, branca, opalina.

Íntimo... o incontido mundo privado.

Ali, no ambiente de uma casa carregada de pura poética, melancólica (eu), sinto a artista.

Ela consente.

Espio imutável, observando como admira o que olha para ela.

 

Susana Rocha, mantém a sua identidade sem a imposição de existir pelo afecto do olhar dos outros.

Cresce como sujeito artístico ditando de beleza e mistério objectos cotidianos, elevando-os a objectos de desiderato.

A artista, exibe um autorretrato subtil e agudo, mas acima de tudo, inquietante. Formas que aprendem a ser pedaços

modelados por espartilhos de elementos frios e pontiagudos, e se metamorfoseiam em novas formas.

O julgamento do rigor da obra - nos sinais deixados pelo estrangulamento da borracha, que clama o grito da carne

(”Spinal” #1 e #2) e a metamorfose do que se transforma ou muta para sobreviver, e que por carência, fica no

esquecimento (“Love letters”, “We use to”). 

A LOSS OF PURPOSE é um suspiro contaminante de um prazer desconhecido, para quem está disposto a admirar, e permitir o atrevimento de se rever nesta narrativa.

TEXTO: EUGÉNIA GRIFFERO